quinta-feira, 6 de abril de 2017

Poesia!


QUEM ME DERA
Quem me dera que a minha vida fosse um carro de bois

Que vem a chiar, manhãzinha cedo, pela estrada,
E que para de onde veio volta depois
Quase à noitinha pela mesma estrada.

Eu não tinha que ter esperanças — tinha só que ter rodas ...

A minha velhice não tinha rugas nem cabelo branco...
Quando eu já não servia, tiravam-me as rodas
E eu ficava virado e partido no fundo de um barranco.

(Alberto Caeiro)Abraçoss

11 comentários:

  1. Acho lindo um carro de boi! Coisa antiga, coisa rural! Difícil de se ver hoje em dia. Belo registro!
    Ando um tanto atucanada com os afazeres, pouco tempo para fazer minhas coisinhas e visitinhas! Semana que vem devo buscar um visitante, que ficará uns dias aqui em casa... que alegria!
    Adorei a violeta que mandaste a foto no face!!! Que enkanto!!! Muito obrigada pela foto!
    Bjinho!

    ResponderExcluir
  2. Muito belo querida amiga, desejo-lhe uma sexta-feira muito feliz beijinhos no coração

    ResponderExcluir
  3. Tão lindas tuas fotos e o carro de boi...Beleza de poesia, profunda, triste....beijos, lindo fds! chica

    ResponderExcluir
  4. Não conhecia e adorei!!! Bj e gosto das imagens!!!

    ResponderExcluir
  5. Duas fotos lindas e o poema de Alberto Caeiro, magnifico!
    Beijinhos e bom fim de semana.
    Ailime

    ResponderExcluir
  6. Maravilhoso poema !! Um abraço

    ResponderExcluir
  7. Oi, amiga!
    Linda poesia, belas fotos! Você sempre bonitona!
    Bjs e ótimo final de semana!
    http://dedeartes-denise.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Lindas fotos, lindo poema! Eita poeta profundo!!
    Beijo

    ResponderExcluir
  9. Bom sempre ler Pessoa neste carro de boi que aqui está bem ilustrado.
    Gostei da partilha Lena.
    Bjs de paz amiga.

    ResponderExcluir
  10. Lindo poema, imagem maravilhosa. Carro de boi, faz parte da minha vida, pois vivo entre a cidade e a zona rural. Tenho uma Chácara, na qual a natureza é palpitante e quando chega feriadão, feriado de apenas um dia, fim de semana ou qualquer hora em que sinto a saudade do meu paraíso apertar, corro para lá e me envolvo na plenitude da natureza, do rústico e da vida simples. Beijos amiga e parabéns, mais uma vez, pela qualidade e magnitude do seu blog.

    ResponderExcluir
  11. Gosto muito de ler as poesias de Alberto Caeiro. Fiquei feliz de encontrá-lo aqui, uma poesia que não conhecia. E as fotos, sempre belas e diferentes.
    Lena, uma ótima páscoa, serena, junto aos seus queridos.
    Deixo beijinhos e muitos abraços apertados.

    ResponderExcluir

DEIXE SEU RECADINHO, FICAREI MUITO FELIZ!!!