segunda-feira, 19 de abril de 2021

Aqui no mato



Quem me dera que a minha vida
 fosse um carro de bois. 
Que vem a chiar, manhãzinha cedo, pela estrada
E que para de onde veio volta depois
Quase à noitinha pela mesma estrada.
Eu não tinha que ter esperanças 
 tinha só que ter rodas ...
A minha velhice não tinha rugas nem cabelo branco...
Quando eu já não servia, tiravam-me as rodas
E eu ficava virado e partido no fundo de um barranco.
(A Caeiro) 
Abraços a todos!


32 comentários:

  1. Oi Lena! A vida parece mais simples e fácil sendo um carro de boi...
    Mas vamos fazer a vida valer a pena, né?
    Esperança, fé e paciência!
    Um abraço!😘🙏

    ResponderExcluir
  2. Bom dia, Lena
    Tem frase sua no meu blog, se desejar passa lá. Postagem interessante, bjs querida.

    ResponderExcluir
  3. Olá minha amiga!
    Isso me faz lembrar a minha infância uma imagem que eu conheço bem vamos ter fé e muita coragem pois com o poder de Deus vai ficar tudo bem um bjo😘😘

    ResponderExcluir
  4. Gostei muito de ler e ver esse carro de bois... Pensar que fomos desse tempo...Na minha cidade os via sempre... Bah... Passa mesmo o tempo! Adorei! Lindo dia! bjs, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  5. Oi Lena, ah... quem me dera.
    Nossa, a última vez que eu vi um carro de boi foi em um hotel fazenda que fui com as minhas filhas pequenas.
    beijos
    Chris


    Inventando com a Mamãe / Instagram  / Facebook / Pinterest

    ResponderExcluir
  6. Ainda sou do tempo de "lidar" com o carro de bois!:)

    -
    Escondi os olhos em pranto...
    -
    Beijo e uma excelente tarde!

    ResponderExcluir
  7. Olá, querida amiga Lena!
    O desapego do carro de boi é uma lição para nós...
    Vamos nos espelhando em histórias assim e sendo "indiferentes" às distintas possibilidades que a vida nos oferta.
    Muito obrigada pelo seu carinho na mão na minha ausência.
    Seja muito feliz e abençoada!
    Beijinhos carinhosos e fraternos

    ResponderExcluir
  8. Boa tarde Lena, como sempre cresci numa metrópole como o Rio de Janeiro, nunca vi um carro de boi ao vivo.

    ResponderExcluir
  9. Faz tempo que não vejo um carro de bois...
    Mesmo com todas as contrariedades da vida... a vida vale a pensa ser vivida!
    Obrigado pela visita no Bluestrass...

    Beijos e abraços.
    Sandra C.
    Bluestrass

    ResponderExcluir
  10. Que imagem bonita!
    Faz a lembrar a simplicidade da vida!
    O poema é lindo, mas melancólico!
    Sejamos mais livres para percorrer outros caminhos!

    Beijinhos e votos de um lindo dia!

    ResponderExcluir
  11. Oi Lena saudade de seu cantinho. Faz um tempinho que não trocamos carinhos. Achei interessante anomalia do carro de boi. Nunca pensei assim. Mas bom pra reflexão. Bjs querida. Amo vc é Deus ainda mais

    ResponderExcluir
  12. Nostálgico e belo poema de Alberto Caeiro.
    Fique bem, beijinhos

    ResponderExcluir
  13. I saw an ox cart once in front of a house but it had no ox.
    Have a nice day, hugs from Ireland!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu vi um carrinho de boi uma vez na frente de uma casa, mas não tinha boi.
      Tenha um bom dia, abraços da Irlanda!

      Excluir
  14. Que belo poema Lena.
    Eu tenho em mim o canto dos carros de boi de minha infância.
    Carinhoso abraço e tudo de bom para vocês neste cantinho mágico.

    ResponderExcluir
  15. desde luego ha sido diferente, me ha gustado, feliz dia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Certamente tem sido diferente, eu gostei, dia feliz

      Excluir
  16. Bom dia:- Muito engraçada a analogia poética ao carro de bois. Hoje em dia já se veem menos mas antigamente nas terras mais rurais viam-se muito esse meio de transporte. Deixo o meu elogio a tão salutar inspiração e criatividade poética.
    .
    Cumprimentos poéticos
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos
    .

    ResponderExcluir
  17. Querida Lena, espero que continue bem e resguardada enuanto a maldita pandemia nos ameaça. Obrigada pelo seu carinho. Vemo-nos, então, no Instagram. Beijinhos

    ResponderExcluir
  18. Oi Lena,

    Vi carro de boi na roça em que morava no interior de Minas. Mas já faz tempo... Me lembro do som das rodas.

    A vida no mato é boa, mas exige muito também! O trabalho de quem vive no mato é pesado, são muitas tarefas para dar conta.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  19. a passar por cá para desejar bom fim de semana!

    Isabel Sá  
    Brilhos da Moda

    ResponderExcluir
  20. Gosto do olhar e envio o meu aplauso para o poema!!! Bj

    ResponderExcluir
  21. Belo texto, mas triste!
    Grande abraço, amiga! Ótima semana!
    http://dedeartes-denise.blogspot.com

    ResponderExcluir
  22. Oi, Lena!

    Bonito o poema de um dos heterónimos de Fernando Pessoa, de nome Alberto Caeiro. Ele sempre foi um homem rural e muito amou o campo e suas lides, que antigamente eram pesadas e difíceis. Agora, há mecanização e tudo é bem mais fácil.

    Carro de bois não tem rugas, nem cabelos brancos, nem dores nos joelhos, se os tivesse. Duram um certo tempo, mas há sempre substituição como remédio, o que não acontece com a gente.

    Beijos e boa semana.

    ResponderExcluir
  23. Oi, querida Lena...
    Um poema bonito e forte, cheio de reflexão... Uau! Gosto de carro de boi, tenho uma miniatura por cá...
    Feliz semana... Bjs

    ResponderExcluir
  24. Oi Lena o bom da vida é a imaginação, sempre imaginamos que alguma forma de viver seria melhor que a nossa, como do poema, um objeto inanimado, sem saber das suas dores, sem saber o quanto é explorado, e sem tomar conhecimento do seu triste fim; nós por termos esse conhecimento da nossa existência, ficamos infelizes, mas devíamos lembrar que temos a oportunidade de conhecer a Deus e ter outra vida quando esta terminar.
    Muitos beijos,Vi

    ResponderExcluir
  25. Oi, Lena!!
    Podíamos ser tantas coisas, mas Deus quis que sejamos gente. Tem gente ficando de cabelo branco enquanto constrói carros de boi. Cada um com sua carga :D
    Beijus no coração!!

    ResponderExcluir
  26. Bom dia Lena,
    Magnífico poema de Alberto Caeiro em que exulta o carro de bois.
    Era muito comum nas aldeias...
    Agora já não se vêem. Que bom que ainda os pode admirar no mato.
    Tenho saudades desses tempos... Era criança.
    Um beijinho e ótimo dia e semana.
    Ailime

    ResponderExcluir
  27. hace mil años que no veo un carro así

    ResponderExcluir

DEIXE SEU RECADINHO, FICAREI MUITO FELIZ!!!